Luciaadverse's Blog

março 31, 2010

Hoje – Eustáquio Neves – 19h –

Filed under: Dicas — Lucia Adverse @ 1:58 pm

Hoje haverá uma aula aberta do Fotógrafo Eustáquio Neves, único representante do Brasil na mostra MADRID MIRADA.

Teatro João Ceschiatti, no Palácio das Artes às 19h – Entrada Franca.

Participem!

março 30, 2010

Instituto Cervantes traz a Belo Horizonte a Exposição Madrid Mirada

A pluralidade de olhares sobre uma mesma cidade e uma reflexão 
sobre a particularidade do fazer artístico por meio da fotografia. 
É o que o público vai encontrar na mostra Madrid Mirada, 
que exibe trabalhos de 14 fotógrafos latinoamericanos, 
cada um de um país distinto – incluindo o Brasil -
 que durante uma semana percorreram as ruas de Madrid
 e registraram suas impressões sobre a capital espanhola. 
A exposição ocorre de 31 de março até 30 de abril, 
de terça a domingo, das 12h às 19h e quintas, das 12h às 21h,
 no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia da Fundação Clóvis Salgado.

Av. Afonso Pena, 737, Centro , em Belo Horizonte.

A entrada é franca.

março 28, 2010

BocaLivre – Fórum Autônomo das Artes Visuais

Filed under: Dicas — Tags:, — Lucia Adverse @ 4:42 pm

Acontece amanhã em Recife e serve como exemplo para o resto do País. Parabéns aos pernambucanos pela grande iniciativa!

O que se passa nas instituições? O que faz tudo ser tão lento e demorado?
Como se dão as comissões de seleções de projetos? Quem é e como são
escolhidos os gestores da cultura? A quantas andam as relações nos variados
conselhos das diferentes estâncias federativas? Onde e porque se deve
investir verba e tempo? Quais os programas? Perguntas pertinentes ao
universo das artes visuais. Importantes perguntas que precisam de
interlocutores.  Portanto leve sua pergunta. Podemos sair sem respostas, mas
a pergunta não ficará presa na garganta. E será você quem decidirá o que
será discutido desta vez. É a sua pauta!

O Fórum da Sociedade Civil do segmento de Artes Visuais surge em um momento
raro de participação democrática e socialização dos poderes de atuação em
que se encontra o Brasil a partir de sua re-democratização. Este Fórum
entende-se como o momento em que seus atores (Artistas, Produtores,
Gestores, Galeristas, Técnicos, Acadêmicos, Críticos, etc.) possuem para
articulação interna. Pretende-se então firmar-se como uma prática de cultura
política diante os desafios que a atuação da cadeia produtiva das artes
visuais tem e terá com a sociedade em que se insere. Entende-se então como
uma formação continuada de cultura política em prol da melhoria qualitativa
e consequente aumento na participação dos autores nas políticas culturais,
sejam estas locais, regionais ou nacionais, inserindo-se em um contexto
mundial.

Vê-se hoje no país uma série de novos mecanismos de inserção da sociedade
nas decisões políticas, bem como nos programas de investimentos de todas as
áreas de atuação do Estado. Dentro desta perspectiva e do novo paradigma da
política social brasileira, faz necessário incrementar a atuação de cada
ator das cadeias produtivas existentes, fortalecendo a participação
democrática tão cara à uma nação pós-estado de exceção.

Neste Fórum é latente a necessidade de cooperação dos autores com suas
instituições referentes, fortalecendo e legitimando os processos de
construção de ambos: instituições e sociedade civil organizada. Assim, gerar
um cenário participativo, de controle, colaborativo e, principalmente,
propositivo é a nossa expectativa.

LEVANTE DEMANDAS. DISCUTA. MOSTRE SOLUÇÕES.

Boca Livre
Fórum Autônomo das Artes Visuais

Segunda, 29 de março | 19h – 21h
Sala Edmundo Moraes, FUNDAJ
Rua Henrique Dias, Derby

Informações
Todë –  (81) 9925.2913
Bruno Moteiro – (81) 8845.2094 | 9747.4507

março 27, 2010

Nova turma para o curso do Steve McCurry

Filed under: Dicas — Tags: — Lucia Adverse @ 9:38 pm

Nova turma para o curso do Steve McCurry no dia 23/05 (domingo).

Restam somente 5 vagas!


março 26, 2010

Exposição “Coisário Cassino Museu”

Filed under: Exposições — Tags:, , — Lucia Adverse @ 2:27 pm

O Museu de Arte da Pampulha (MAP) promove, amanhã, dia 27 de março, às 19h, a abertura da exposição “Coisário Cassino Museu”, que mostra um lote rico de obras ainda não exposto integralmente ao público. A curadoria é de Marconi Drummond e a coordenação de arte é de Fabíola Moulin, coordenadora de artes visuais do MAP.

A mostra reúne obras de importantes nomes da história da arte inglesa, além de pinturas do italiano Elyseo Visconti, que até então não tinham sido expostas em sua integralidade. A exposição também marca o início do colecionismo no museu. O eixo norteador para a curadoria é o colecionismo e tem como intuito alargar o espectro de análise sobre o acervo do MAP, ao procurar dialogar com outras coleções mineiras, públicas e privadas.

A exposição pode ser visitada até o dia 27 de junho.

Horário: de terça-feira a domingo, das 9h às 19h.

A entrada é gratuita e a promoção é da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura e do Museu de Arte da Pampulha, localizado na Avenida Otacílio Negrão de Lima, nº 16.585 – Pampulha

março 24, 2010

A Pintura e a Fotografia

As respigadeiras

Ontem no Facebook do Claudio Edinger essa pintura chamou-me a atenção.

Trata-se de uma obra do pintor Jean-François Millet (4 de Outubro, 1814 – 20 de Janeiro, 1875). Pintor romântico e um dos fundadores da Escola de Barbizon na França rural. É conhecido como percursor do realismo, pelas suas representações de trabalhadores rurais. Junto com Courbet, Millet foi um dos principais representantes do realismo europeu surgido em meados do século XIX. Sua obra foi uma resposta à estética romântica, de gostos um tanto orientais e exóticos, e deu forma à realidade circundante, sobretudo a das classes trabalhadoras. Suas obras sobre camponeses foram consideradas sentimentais para alguns, exageradamente piegas para outros, mas a verdade é que as obras de Millet em nenhum momento suscitaram indiferença. Na tepidez de seus ocres e marrons, no lirismo de sua luz, na magnificência e dignidade de suas figuras humanas, o pintor manifestava a integração do homem com a natureza. Alguns temas eram tratados talvez com um pouco mais de sentimentalismo do que outros. No entanto, é nos pequenos gestos que se pode descobrir a capacidade de observação deste grande pintor. Nessa pintura, “As respigadeiras” (1857), Millet retrata três camponesas que trabalham na colheita. Não há nenhum drama e nenhuma história contada, mas apenas três mulheres camponesas em um campo. As respigadeiras são mulheres humildes que recolhem o que sobrou após a colheita dos proprietários de terra. Os proprietários e os trabalhadores são vistos na parte de trás da pintura. Millet aqui mudou o foco, o assunto mais importante seria aqueles que eram considerados parte inferior da escada social. Millet também não pintou seus rostos para enfatizar sua posição de anonimato e marginalização. Seus corpos curvos representam o trabalho difícil de todos os dias.

As pinturas de Jean-François Millet fizeram-me lembrar de uma foto da Nair Benedicto que conheci na casa de uma amiga em São Paulo. Minha amiga, também fotógrafa, há alguns anos é colecionadora de fotografias de Fine Art. Adquiriu uma bela coleção da fotógrafa Nair Benedicto, impecavelmente impressa na França pela La Chambre Noire. São 18 fotos digitalizadas com qualidade museológica, embaladas numa caixa especial. Lembro-me que quando peguei na coleção, logicamente com luvas, fiquei impactada com a beleza das imagens e principalmente com essa das camponesas. Analisando hoje, imagino, quem sabe, talvez o pintor François Millet pode ter influenciado ou não o olhar da fotógrafa Nair Benedicto no momento do registro dessa belíssima imagem. Quando tive essa fotografia em mãos, tive a sensação daquela imagem se parecer com uma pintura, o próprio papel com qualidade museológica transmite tal sensação. Essas semelhanças comprovam de como é importante o aprofundamento do estudo nas artes plásticas pelo fotógrafo. Os mestres da pintura com todo o estudo de perspectiva, profundidade, conhecimento e aprimoramento das técnicas, inspiram-nos em construirmos uma composição mais harmoniosa. Buscamos uma proximidade da composição perfeita que faziam com maestria.

Fotógrafa paulista, Nair Benedicto, nasceu em 1940 e foi a primeira mulher a participar de manifestações na década de 70, como as greves do ABC.  Formou-se em Rádio e Televisão pela Universidade de São Paulo em 1972, mesmo ano em que começou a fotografar profissionalmente, produzindo audiovisuais para a Alfa Comunicações. Em 1979, fundou a Agência F4 de Fotojornalismo juntamente com Juca Martins, Delfim Martins e Ricardo Malta, iniciativa pioneira que impulsionou o nascimento de outras agências. Ligada e atenta a temas sociais permitiu uma nova visão do fotojornalismo e da população brasileira sendo comissionada pela Unicef, durante 1988 e 89, para realizar a documentação sobre a situação da mulher e da criança na América Latina. Em 1991 desligou-se da F4 para fundar a N Imagens.

Seus trabalhos foram publicados nas revistas: Veja, IstoÉ, Marie Claire, Claudia, Ícaro, Vaccance, Stern, Paris-Match, BBC-Ilustré, Zoom, NewsWeek, Time, GeoMagazinbe, SouthMagazine, Nuova Ecologia, Ecos, Science, Figaro Magazine.

Suas fotografias integram os acervos do MoMa, de Nova Iorque, do Smithsonian Institute, em Washington, do MAM/RJ e da Coleção Masp-Pirelli. Realizou exposições em São Paulo, Rio de Janeiro e em outros países como França, Espanha, Cuba, Itália, Estados Unidos, Suíça, Equador e México.

março 21, 2010

Fotocine – “BLOW UP”

Filed under: Dicas — Lucia Adverse @ 5:18 pm

Amanhã!

março 18, 2010

Carta de Duda Escobar para os mestres Izan e Greg

Filed under: Fotografia — Tags:, , , — Lucia Adverse @ 3:55 pm

É com muito prazer que transcrevo aqui, com sua devida autorização, a carta de Duda Escobar para os mestres Izan Petterle e Greg Gibson. Para quem não conhece Duda, ela é idealizadora e diretora  da “Feira Internacional de Imagem” PhotoImageBrazil. O evento acontece todos os anos durante o mês de agosto no Expo Center Norte em São Paulo. A PHOTOIMAGE BRAZIL reúne e expõe as principais tendências de tecnologia e desenvolvimento de produtos de imagens e tera sua 18ª edicao de 3 a 5 de agosto proximo.

Em 2008,  três meses após a feira, Duda organizou uma Expedição Fotográfica ao Pantanal com os mestres Izan Petterle e Greg Gibson no comando.  O primeiro, é fotógrafo da National Geographic Brasil e o outro, um excepcional fotojornalista americano, ganhador de dois prêmios Pulitzer. O resultado? Uma aventura em tanto, a  qual descrevi no final do evento “Retrato Falado” do qual participei na semana passada. Duda Escobar acompanhou-nos durante os 9 dias no Pantanal. Seu intuito seria fazer uma avaliação de como seria um workshop administrado por esses dois competentes fotógrafos numa região feito o Pantanal Matogrossense. Assim que Duda desembarcou no local, o Izan entregou uma câmera para ela e a intimou que fotografasse por todo o período da viagem. Duda topou o desafio e a cada descoberta ou façanha, parecia uma criança maravilhada diante do seu novo brinquedo. O resultado vocês podem conferir nas imagens abaixo que ilustram a carta. Não sou fotogênica e durante nossa temporada, Duda fez um dos meus melhores retratos, é dela o meu  retrato no meu perfil do Facebook. Foram dias fantásticos e de muita aprendizagem por todos nós, inclusive para os mestres. Após a nossa viagem, Izan pediu que registrássemos nossa opinião, enumerando os pontos positivos e negativos. Duda escreveu essa deliciosa carta que vocês vão ler e me enviou pedindo uma opinião. Fiquei admirada com o texto, ela conseguia transmitir com poesia e um toque de humor, todas as nossas dificuldades e nosso fascínio pelas nossas descobertas. Desde o ano passado, quando comecei a escrever no blog, expressei-me da vontade de compartilhar essa carta com outras pessoas. Estava esperando um momento adequado e achei que depois de abordar o assunto na minha palestra havia chegado a hora.

Tenham uma boa leitura e espero que curtam o texto.  

São Paulo, 18 de novembro de 2008.

Queridos  GREG & IZAN.

Sou urbanissima e não sou fotógrafa.

Classifico minhas fotos como medíocres.

Entorto os planos busco os ângulos indesejáveis e adoro cortes que irritariam os editores mais liberais.

Minha familiaridade com câmeras profissionais nunca ultrapassou os momentos de entrevistas em que apresento os features dos modelos que estão sendo lançados na PHOTOIMAGEBRAZIL.

Confesso que acordar às 5h da manhã não foi difícil.  Mas… o ritual do antes da saída ? … uma penitência, um sacrifício ! Com uma “poção misteriosa” de enxofre, filtro solar  e citronela (exatamente nessa ordem) eu untava todo o meu corpo . Perfume? Fora de cogitação !… atrairia os zilhões de mosquitos!

O sabonete de enxofre mantinha os carrapatos bem longe de mim. Ate eu queria fugir de mim, imagina eles!

Para enfrentar o sol e a temperatura media de 45°C minha pele branca, pálida, anêmica pedia  filtro solar fator 55 e os mosquitos fugiam de mim, porque o banho de citronela que intitulei de – a cereja no chantilly – era mais forte que meu sangue doce. Em suma eu me sentia uma sobremesa de 3 camadas com pernas ou algo parecido com uma múmia.

Depois desse ungüento estava liberada para deitar na terra, na grama, no charco, com ou sem colchão de estrume de cavalo e pasmem!! tudo para clicar fotos  que, com meus conhecimentos –  ZERO – ficavam muito, mas muito distantes da minha busca desenfreada pela perfeição !

Descobri que conhecer os recursos da câmera é nada.


O grande desafio é aplicar tudo embutido naquele “corpo mágico”, com a mesma velocidade com que a luz se altera, o sol se põe, as nuvens mudam de cor e formas e sabem o que descobri? o galope dos cavalos sobre as águas não congela, como nos filmes ! Tudo passa diante das lentes numa fração de segundo e lá se vai a foto que SERIA ma-ra-vi-lho-sa!

Fotografei sem compromisso, pelo prazer de “tentar” pintar com a câmera o que encantava meus olhos e meus sentidos.

Vivi situações interessantíssimas em mim mesma.

Tivemos uma manhã com liberdade para dormir, lembram-se? Por volta das 6h ouvi um canto escandaloso que imaginei ser das araras azuis que eu tanto queria ver. Sai do quarto quietinha, com a câmera e fui seguindo o som, quando fui assaltada por um céu de nuvens  escuras, volumosas, com o pobre sol querendo abrir uma janelinha de luz entre elas, pra se mostrar. Senti-me fraca diante da dramaticidade desse amanhecer, quando me vi parada no meio do campo, distante da casa, de pijama. A distração me deu uma dúzia de fotos daquele céu mutante. Amei !

Ouvi sons que só escutei na alma, vi céus que outros haviam capturado, senti o sol que queima até os pecados não cometidos e o vento que deixa pra trás a corrida insana do dia-a-dia, porque é mais veloz que ela.

Sobre , os mestres?

Greg e Izan … vocês são uma simbiose de gente que a vida explica de forma inexplicável.

Greg de Washington (D.C. – USA), Izan de  Alegrete (RS – Brasil).

A paixao pela fotografia os tornou amigos.

Ambos são mestres, indiscutivelmente.

Ambos possuem criatividade, técnica , didática,  emoção e matemática nas doses certas.

Senti-me muito mais que feliz por tê-los unido. Senti-me humildemente … orgulhosa

Nós, Andréa, Inês, Lúcia, Roberta, Úrsula, Herculano e eu, carinhosamente chamados “alunos”, vivemos oportunidades incríveis. Fomos testados em alguns de nossos limites ao nível de stress.

Vocês tiravam literalmente leite de pedra e com a competência de produtores experientes.

Fizeram nascer estúdios em estábulos, cozinhas e fogões primitivos e encantados, cavalgadas, cavaleiros, peões com laços dançantes , janelas e velas misteriosas e lanternas reveladoras. Descobriam gente rude de rostos marcados e mãos calejadas que tinham delicadeza no descascar uma pequena fruta.


Vocês  criaram cenários vivos e ricos de detalhes, com recursos poucos e pobres.

Muita garra, sensibilidade e disposição para enriquecer nossos dias na Expediçåo Transpantaneira.

Fazendas rústicas, com historias pra contar, macacos, escadas intermináveis, cidade de pedras, amanheceres e entardeceres, fogo, ferro de marcar o gado,  pinturas que só o Criador pode dar e vocês … nos alimentando de fotografia o dia inteiro.

Nosso senso critico e de observação foram estimulados.

O inesperado acontecia todos os dias.

A habilidade de aceitar os envolvidos com suas particularidades, manias e respeitá-los até em suas estranhezas tenho a certeza de que foi um exercício diário para vocês , os dois.

Só quero dizer o quanto sou grata, Greg & Izan por terem me “convocado” para ir à Expedição. Obrigada Greg, por dizer -” Duda você está indo para uma expedição fotográfica, não pode não fotografar” Obrigada querida Marta por emprestar-me sua Nikon.

Vivi  uma experiência extraordinária em minha vida !

Carinhosamente, Duda


março 15, 2010

‘Retrato Falado’ – Registro Marco Aurélio Prates

Filed under: Meus trabalhos — Tags:, , — Lucia Adverse @ 3:38 pm

Hoje venho aqui agradecer à todas as pessoas que me prestigiaram com sua presença no evento ‘Retrato Falado’ na semana passada. Um agradecimento especial à minha família que sempre está ao meu lado, ao amigo Guto pelo apoio e confiança e finalmente ao amigo Marcão que com muito carinho registrou o momento e cedeu-me as imagens. Graças à ele, hoje posso colocar as imagens da palestra aqui no meu blog. Foi uma noite de estréia para mim, pois foi a primeira vez que falei em público sobre o meu trabalho. Posso dizer que foi uma noite de bate-papo agradabilíssimo com o público. Para quem não foi, o roteiro foi o seguinte: comecei falando sobre minha formação profissional, mostrando fotografias da época. Em seguida, eu e o público tivemos um bate-papo sobre fotografia documental, onde mostrei alguns trabalhos autorais inéditos. Por último mostrei o making of da minha aventura no Pantanal numa expedição fotográfica com  outros 6  fotógrafos, orientados pelos profissionais Izan Petterle e Greg Gibson. Encerrando, foi colocado um DVD com imagens e músicas do Pantanal.

Foto em Pauta – Anderson Schneider e Caio Guatelli

Filed under: Dicas — Tags:, , — Lucia Adverse @ 9:07 am

Na próxima terça-feira, 16 de março, os dois fotógrafos Anderson Schneider e Caio Guatelli são os mais recentes convidados do Foto em Pauta. Ambos contarão um pouco da experiência que tiveram na tragédia do Haiti. Mais informações veja aqui.

março 13, 2010

UM NOVO MOMENTO PARA A NOSSA FOTOGRAFIA

Hoje reproduzo aqui através do blog Foco in Cena, o texto escrito pelo nosso amigo Guto Muniz que sintetiza e explica bem o novo momento da fotografia que estamos vivendo em Minas:

De 2009 para cá a fotografia brasileira, em especial a mineira, vem passando por um período muito gratificante. Um período de fortalecimento das iniciativas e de união entre os fotógrafos.

Em Minas Gerais esse desenvolvimento foi notável.

No ano passado, a Regional Minas Gerais da Associação de Fotógrafos Fototech, criada em meados de 2008, tomou corpo. Realizou diversos workshop com profissionais de outros estados e produziu, no final de agosto, o seminário “Direito Autoral na Fotografia Brasileira” que reuniu em BH profissionais de diversos estados brasileiros. Como um dos resultados dessas ações, o número de associados da regional quadruplicou no último ano.. Já o Foto em Pauta, evento organizado pelo fotógrafo Eugênio Sávio desde 2004, responsável por trazer a Belo Horizonte grandes nomes da fotografia brasileira, se fortaleceu com o patrocínio da Oi Futuro. Por sua vez, o FotoClube BH, representado por um fórum de discussões na internet que envolve nada menos que aproximadamente mil profissionais e amantes da fotografia, passou por um processo de regulamentação, tornando-se membro da Confoto – Confederação Brasileira de Fotografia, e preparando-se para vôos ainda maiores e mais altos.

Se por um lado, sofremos um choque com o anúncio do fechamento do IMS – Instituto Moreira Salles em nossa cidade, soubemos nos articular, unir forças contra essa ação e mostrar aos governantes locais que somos capazes de nos organizarmos e queremos ter voz ativa nas ações que estão direta ou indiretamente ligadas à nossa fotografia. O Governo do Estado tomou para sí a administração do espaço através da Fundação Clóvis Salgado em parceria com o IMS e deu a ele o nome de Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, abrindo claramente as portas para o início de um diálogo direto com o setor. Diante disso, a articulação dos fotógrafos tomou um corpo ainda maior e deu origem ao Fórum Mineiro de Fotografia Autoral.

Também no segundo semestre de 2009, por ocasião do 5º Paraty em Foco, um dos mais importantes festivais de fotografia do Brasil, se reuniu naquela cidade, um grande número de representantes de iniciativas culturais de todo o território nacional, naquilo que foi chamado de 1º Encontro de Agitadores Culturais da Fotografia Brasileira.

O principal resultado desse encontro foi a criação da Rede de Produtores Culturais da Fotografia do Brasil, com a finalidade de estabelecer um canal de comunicação que consolidasse uma relação institucional entre os diversos setores da fotografia brasileira.

Naquele momento, cerca de 30 agitadores culturais, representando diversos festivais, galerias, escolas e várias outras iniciativas fotográficas assinaram a “Carta de Paraty”, redigida no intuito de apresentar ao Ministério da Cultura a contribuição do setor fotográfico às medidas que vem sendo tomadas por aquele ministério no sentido de reestruturar a relação do Estado com os diversos setores da cadeia produtiva da cultura nacional. A carta foi entregue em audiência da Rede com o Ministro Juca Ferreira em dezembro de 2009

Diante do claro desejo demonstrado pelo Ministério de apoiar e solidificar essa relação, a RPCFB apresentou ao MinC um projeto de pesquisa quantitativa e qualitativa das iniciativas fotográficas brasileiras.

Já em janeiro de 2010, uma nova reunião, desta vez com o Sr. Sérgio Manberti, presidente da Funarte, e com Ricardo Resende, diretor do Centro de Artes Visuais, também da Funarte. Naquele momento, foram aprofundadas as discussão sobre os editais para a fotografia a serem publicados pela Fundação no primeiro semestre desse ano, dentre outros pontos.

Por fim, em fevereiro, representantes da RPCFB estiveram novamente em Brasília a convite do MinC, em uma reunião com o Secretário de Políticas Culturais, José Luis Herência,  Micaela Neiva, da Secretaria Executiva e Juliana Nolasco coordenadora dos negócios da Cultura. Em pauta: o início dos trabalhos visando a realização do Encontro de Produtores Culturais da Fotografia do Brasil, a ser realizado na capital federal no final do mês de maio próximo, além da pesquisa quantitativa das iniciativas culturais na fotografia em todo o território nacional a ser realizada pela Rede e seu desdobramento, em uma pesquisa qualitativa a ser desenvolvida pelo Ministério.

O encontro de Brasília contará com recursos do Fundo Nacional de Cultura e tem por objetivo reunir representantes de todas as iniciativas fotográficas nacionais, de todos os estados brasileiros, catalogadas a partir da pesquisa que já vem sendo realizada pelos seus atuais integrantes. Será criado ali um grande espaço para discussão e para a definição de metas e estratégias que consolidem a trajetória a se percorrer no desenvolvimento desse novo momento da história da cultura fotográfica brasileira.

Hoje, a RPCFB já tem aproximadamente cem iniciativas cadastradas. Minas Gerais se faz presente na Rede através de minha pessoa, como representante da Associação Fototech, além de Eugênio Sávio representando o Foto em Pauta, e João Castilho, pelo Fórum Mineiro de Fotografia Autoral. Muito em breve, outras iniciativas mineiras serão convidadas a se juntar a nós.

Por fim, outra grande notícia. Nosso amigo e companheiro de Fórum, Tibério França, embarcou para Brasília no começo dessa semana como delegado de Minas Gerais na Conferência Nacional de Cultura. Além de seu excelente currículo, Tiberío contou com um movimento desencadeado pelo Fórum Mineiro de Fotografia Autoral e que contou com o apoio formal da Fototech através de sua regional, do FotoClube BH, do Foto em Pauta e da Escola Guignard, onde é professor. Uma verdadeira união de forças da fotografia mineira. Já na terça-feira última, ele foi eleito integrante do Conselho Nacional de Cultura na área de Produção Artística. Agora, está participando diretamente da definição da proposta das artes visuais para o Plano Nacional de Cultura, que deverá virar lei ainda neste ano. É a fotografia brasileira, mais especificamente a mineira, tomando seu espaço nas discussões das políticas culturais e nas definições dos novos caminhos que se traçam para nossa arte.

Que os bons ventos continuem soprando. Que saibamos aproveitá-los com inteligência e, acima de tudo, muita união em prol de um bem comum, sem nos deixarmos levar por vaidades e radicalismos que, por muitas vezes em nossa história, afundaram barcos carregados de boas intenções. Vamos em frente!

Abraços a todos,

Guto Muniz

março 10, 2010

“Retrato Falado”- Blog UAI

Filed under: Dicas, Meus trabalhos — Tags:, , , — Lucia Adverse @ 1:07 pm

A jornalista Joana Gontijo do Portal UAI (www.uai.com.br), acaba de colocar no ar, uma gentil matéria sobre o nosso Retrato Falado. O Portal UAI pertence ao Jornal Estado de Minas, é o maior portal de notícias e conteúdo online de Minas Gerais, além de oferecer aos mineiros e a outros internautas de qualquer parte do país acesso a e-mails e vários serviços úteis para quem quer navegar na Internet. Acessado em todas as regiões do estado, nos principais centros econômicos do Brasil e em países com a presença marcante de mineiros, o Uai acumula, em média, quase 60 milhões de page views por mês, sendo que somente a capa do site, que reúne todos os canais de notícia, registra hoje cerca de 10 milhões de acessos. Agora em novo layout, mais fluido, o site reafirma seu compromisso em ser referência para os mineiros, com conteúdo que interessa!

Veja aqui.

“Retrato Falado”, última chamada

Filed under: Meus trabalhos — Lucia Adverse @ 10:49 am

Bom dia pessoal!

Passo por aqui hoje, apenas para lembra-los do evento da Fototech Minas que acontece hoje às 19:30h.

Aguardo vocês!

Mais informações no post anterior.

março 6, 2010

“Retrato Falado” com Lucia Adverse

O projeto “Retrato Falado” surgiu da vontade dos membros da Associação Fototech da Regional Minas conhecerem mais sobre o trabalho de seus companheiros e de poderem conversar a respeito das questões que o envolvem de uma forma bem descontraída. A primeira apresentação foi do fotógrafo de artes cênicas Guto Muniz que nos emocionou com seu belo trabalho.

Acessando aqui, conseguirão ver o webflyer do evento anterior.

Na próxima quarta-feira, dia 10 de março, será a minha vez de falar um pouco sobre a minha fotografia. Falarei de como a fotografia surgiu na minha vida, minha formação, o que faço atualmente e um pouco sobre os meus trabalhos autorais. Conversarei com o público sobre a fotografia documental e mostrarei a experiência que tive no Pantanal com os fotógrafos Izan Petterle, da National Geographic Brasil e Greg Gibson, este último, fotojornalista vencedor de dois prêmios Pulitzer e ex-fotógrafo da Casa Branca.

É exatamente a partir da troca de experiências entre as mais diversas expressões fotográficas que queremos ver as relações entre fotógrafos crescerem e solidificarem. E, é por isso, que a Fototech/MG resolveu abrir para toda a comunidade o convite para virem bater um papo conosco.

A intenção do projeto é de sempre acontecer na primeira quarta-feira de cada mês, com exceção, conflitos de datas de outros eventos fotográficos em nossa cidade. Nesse mês, fizemos uma alteração, pois concidia com Foco em Pauta.

Aguardamos vocês!

Data: 10 de março de 2010, quarta-feira.

Local: Sala de Cinema do Galpão Cine Horto.

Horário: 19:30 às 21:30hs

Endereço: Rua Pitanguí, 3613. Bairro Horto

Entrada Franca

março 5, 2010

Exposição “Um Olhar sobre a Lomografia”

Filed under: Exposições — Tags:, , , — Lucia Adverse @ 12:11 pm

O Shopping Diamond Mall está promovendo a exposição “Um Olhar sobre a Lomografia”, de 3 a 28 de março, das 10 às 22 horas. São cerca de 70 fotografias dos fotógrafos Barbara Dutra, Fábio Lamounier, Juliano Arantes e Ulisses Mattos.

março 4, 2010

Lomografia

O que é Lomografia?

O termo Lomografia deriva do nome das máquinas fotográficas soviéticas Lomo, que em plena guerra fria foram produzidas em massa com o intuito de documentarem o estilo de vida soviético visto pelos seus próprios intérpretes.

No começo dos anos 90, dois estudantes austríacos, Mathias Fielg e Wolfgang Stranzinger, descobriram essas câmeras durante suas férias em Praga e se encantaram com os efeitos que sua baixíssima tecnologia produzia: cores alteradas, deformações na imagem, resultados sempre imprevisíveis. Em 1992, fruto do seu entusiasmo, Stranzinger e Fielg fundaram a “Lomographic Society International” e difundiram por toda a Europa as extraordinárias qualidades desta preciosidade que não tardou a gerar um movimento batizado de “Lomografia”.
Logo após, a febre se espalhou pelo “ocidente” e rapidamente deram origem a uma cultura própria, do quotidiano urbano. Em 1994, a Lomographic Society International promoveu o primeiro grande evento: uma grande mostra internacional simultânea em Nova York e Moscou, expondo murais de 10 mil Lomografias que retratavam o dia-a-dia das duas cidades. Em 2007, a Lomographic Society International foi convidada pela cidade de Londres e pelo London Design Festival para inaugurar o festival deste ano com uma exposição: um retrato do mundo em fotografias, a exposição LomoWorldWall, de 17 a 23 de Setembro daquele ano, contou com mais de 100.000 imagens mostradas ao ar livre na Trafalgar Square.

Consistem em dez regras básicas a Lomografia:

1. Leve sua câmera aonde você for.

2. Use-a a qualquer hora – dia ou noite.

3. A lomografia não é uma interferência na sua vida, e sim parte dela.

4. Experimente fotografar sem olhar o visor.

5. Aproxime-se o máximo possível do assunto que deseja fotografar.

6. Não pense.

7. Seja rápido.

8. Não se preocupe em saber, antes da revelação, o que exatamente você fotografou.

9. …nem depois

10. Não se preocupe com nenhuma regra.

Sua característica mais marcante provém dessa particularidade: a Lomografia não é uma fotografia encenada, produzida, é tão só uma fotografia criativa do quotidiano, é um estado de espírito de voyeurismo constante… Confesso que nunca fiz uma experiência com uma câmera Lomo, mas tenho essa curiosidade.

A Lomografia tornou-se movimento que não pára de crescer com as várias Embaixadas Lomográficas espalhadas pelo mundo e com uma legião de adeptos que fazem da Lomografia uma nova abordagem da arte do voyeurismo militante, caminhando a passos largos para a concretização de um objetivo: o LomoWorldArchive, um registo visual do mundo graças às fotografias dos lomógrafos de todo o planeta.

Saiba mais no site: http://www.lomography.com/

março 3, 2010

Foto em Pauta com Arnold Borgerth

Filed under: Fotografia — Tags:, — Lucia Adverse @ 1:39 am

Amanhã no Foto em Pauta, Arnold Borgerth.

março 1, 2010

Encerrada a exposição no BH Shopping ontem

Filed under: Exposições — Tags:, , , — Lucia Adverse @ 11:04 pm

Conforme escrevi no post do dia 13 de fevereiro (veja aqui), nossa exposição “GENTE DE MINAS” que está em cartaz desde o dia 12 de fevereiro no BH Shopping, encerrou ontem com uma bela confraternização de todos os participantes (Pena que não me esperaram para a foto coletiva!). Abaixo coloco alguns registros que fiz do local ontem, antes de partirmos para a desmontagem que ocorreu somente após do fechamento do Shopping, às 22 horas.

Com a curadoria do professor de fotografia da Escola Guignard da Universidade Estadual de Minas Gerais, Tibério França, foram exibidas cerca de 30 fotografias em preto e branco com os mais diversos artistas mineiros.

A curadoria da exposição propôs o tema e solicitou aos fotógrafos imagens de personalidades mineiras. Então fiz o contato com o escultor mineiro Leopoldo Martins que  imediatamente se prontificou em posar para o retrato. Sugeri o artista que fotografássemos no seu local de trabalho, então ele me sugeriu que fosse na fundição onde são feitas suas esculturas. No ano passado, Leopoldo ganhou a medalha de prata da Academia Francesa de Artes Ciencias e Literatura em Paris. Em seguida participou de uma mostra em Londres. Em dezembro, retornou a Paris para uma exposição no Louvre, “Salon Du Louvre 2009”, foi presidido pela “Société Nationale Des Arts” com outros artistas de algumas partes do mundo. Esse ano, terá sua primeira individual em Paris e depois participará de uma grande feira de artes, muito importante para o mercado Europeu. Um dia após o lançamento da exposição Gente de Minas, viajou para Miami, que nos impediu que fôssemos juntos ao BH Shopping, mas esteve presente no local logo no primeiro dia da exposição.

Um pouco antes da desmontagem apareceram no local, meu filho e minha nora, não resisti e fiz o registro, quer dizer, Elmo Alves fotografou.

Blog no WordPress.com.